terça-feira, 30 de dezembro de 2014

Estive na França com Anna

Essas semanas li My True Love Gave To Me, e apesar de ter gostado do livro, ele teve alguns contos muito bons e outros só okay. Entre os contos que eu mais gostei, estava o da Stephanie Perkins.

Já tinha ouvido falar da escritora, óbvio. Só não tinha lido nada dela.

Foi aí que decidi passear pela biblioteca da minha universidade até que ta-da! Encontrei os livros da moça lá (dois.). Fui ávida pelo Lola e o Garoto da Casa ao Lado, mas aí de último segundo troquei pelo Anna e o Beijo Francês. 

Deixei o livro cinco dias na cabeceira da minha cama porque não tinha coragem de começar ele. Nada contra o livro, é que eu tinha 4 provas finais naquela semana e a ansiedade tava me matando. 

Então no domingo-pós-semana-infernal eu deitei pra ler o livro. E quando vi já tinha passado da metade. E quando vi já era segunda e eu já estava trabalhando, porém querendo correr pra casa pra ler o resto. E li. E adorei. 

O livro, apesar da capa brasileira terrível (percebi que eu detesto capas com pessoas?!), tem tudo aquilo que eu mais gosto nos YA. Aquele coming of age de último ano do high school (ou de primeiro de faculdade), quando tudo vai mudando.

(créditos)
Ele conta a história da Anna, que é transferida de Atlanta pra França no último ano do ensino médio graças ao papai rico que pensou ser essa uma ótima ideia, e que também escreve livros apelões onde as pessoas ficam ou são doentes (Nicholas Sparks? John Green?). Ela deixa pra trás a mãe e um irmão mais novo, um quase-rolinho e uma melhor amiga que adora brincar com palavras recém descobertas.

Chegando na França, ela rapidamente faz amizade (nem tanto por crédito dela, que só queria chorar no quarto) com a Meredith e o seu grupinho de amigos: Rashimi, Josh e... St. Clair.

Étienne St. Clair. O americano mais inglês/francês que vocês poderiam conhecer.

Ou que a Anna poderia conhecer.

A estória em si não teve nada grandioso ou muito diferente: teve briga, teve beijo, teve término. Teve bêbado confessando amor. Além disso, a mocinha principal é viciada em cinema. Curte Sofia Coppola e Wes Anderson. Quer ser uma crítica (pois então...). E é uma fugitiva de assunto.

É mal de Ana, Anna.
Mas tudo isso nem chega aos pés do fato do livro ser em 90% do tempo ambientado em terras francesas (ou chega, vai saber). Eu nunca fui à França, não sei se algum dia eu chegarei a ir. Já vi gente dizendo que ela fica melhor na memória. Já vi muita gente elogiando. Como não conheço, imagino que tudo é lindo, apaixonante e com macarons em cada esquina. Então foi assim que imaginei a França do livro.

Apesar de ter gostado da obra, mesmo que tenha me incomodado, gostei também que nenhum dos personagens é perfeitinho?! A própria Anna teve um ataque que achei muito bobo, onde ela se achou injustiçada por uma coisa que não tinha nada a ver. O mocinho, então, sem coragem de terminar relacionamento mofado?! É...

De qualquer maneira, quando terminei fiquei com a sensação maravilhosa quando ficava quando terminava livros de outra querida minha: a Meg Cabot.

Agora? Quero muito ler os outros livro da Steph. 

8 comentários

  1. gosto bastante dos livros da stephanie perkins e não sei se você sabe mas ela lançou o isla and the happily ever after!! é um amor mas acho que ainda não tem tradução.
    ana, caso queira saber, eu tô mudando de blog. se quiser visitar o url é colecionandomonologos.tumblr.com e eu tô escrevendo num pseudônimo.
    beijos!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Super quero ler Isla! Mas acho que vou de Lola primeiro.

      Beijos! (e seguirei a srta. por lá)

      Excluir
  2. Não dava nada pra Anna, mas comprei o livro pra saber do que todo mundo tava falando e omg, amei Anna demais! Lola eu já não achei tudo isso, mas tô louca pra ler Isla!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nãoooooo! Eu tô louca pra ler Lola! Vai ser o próximo que vou tentar. Depois faço review. :33

      Excluir
  3. Comprei esse livro dois anos e meio atrás, no aeroporto, pra ler numa viagem de 10 horas. Nem dava nada pela história, mas nessas livrarias de aeroporto não da pra ser o$$tentadora e o livro tava em promoção. Resultado: li inteiro dentro do avião. hahaah Anna, pra mim, é um livro cafuné, amor demais <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Livro cafuné" = já entrou pra lista de expressões favoritas.

      Beijos!

      Excluir
  4. só queria dizer que: te acho muito fofa gosto muito dos seus posts e o header daqui é lindo (tudo assim sem vírgula pra dar mais emoção) <3 e não sei bem o motivo de não ter comentado aqui antes, mas enfim, agora precisei haha (soei meio creepy? lets hope not)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. JDFHSDLKFRSDFJNSDFPOMC (batido no teclado pra dar mais emoção)

      'Brigada, 'brigada, 'brigada. Fiquei com um sorrisão no rosto agora. E não soou creepy nada.

      Beijos!

      Excluir

© OH SO FANGIRL
Maira Gall