sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

The Last Ride

Esse post pode conter spoilers.

Rasguei seda pra série já. Rasguei tanta seda que queria poder voltar no tempo e dar restart nessa última temporada, mas com a única ressalva de que ela fosse bem diferente do que foi.

Juro que não sei se o fato de eu ter assistido as outras seis temporadas em uma tacada só, episódio atrás de episódio, influenciou na maneira como eu enxerguei a série, mas acompanhar quase semanalmente a temporada final, com só um episódio pra poder digerir por vez, foi diferente.

Ou a temporada foi diferente.

Fui mimada com uma ótima temporada final ano passado, de uma série muito querida por essa que vos fala (vocês conseguem achar todos os registros frenéticos no arquivo do blog entre agosto e novembro de 2013). 

Então é óbvio que fui assistir a temporada final de umas das séries que mais curti assistir, que mais gostei, que achei tão boa, com as expectativas no alto.

E que decepção...

Os episódios foram nada sucintos (a maioria tem quase ou mais de uma hora), cheios de fillers, cenas desnecessárias e plots que eu não queria saber.

Sim, depois do final da sexta temporada onde tivemos a morte da Tara pelas mãos da matriarca que eu sou incapaz de odiar, Gemma Teller, a gente só queria saber de uma coisa: o que o Jax vai fazer quando descobrir? 

Claro que se isso tivesse acontecido no começo da temporada, a série teria praticamente acabado ali. Então foi de muito bom gosto, e óbvio, construir a sétima temporada em cima da mentira da Gemma e do Juice.

Mas ugh, não?!

Acho que passei metade dos episódios querendo que eles acabassem logo. E isso é bem triste. Afinal, como eu já disse, gosto MUITO da série. 

Óbvio que não só de coisas ruins foi feita essa última temporada. Os episódios finais da série elevaram um pouco o nível da S07. Eles deram uma chance de quase se redimir pelos outros péssimos e medianos episódios. Mas ainda assim, não achei o suficiente. 

O episódio 7x11, Suits of Woe, foi o melhor da temporada, e arrisco dizer um dos melhores da série, senão o melhor. Foi bem dirigido, bem produzido. As melhores atuações estão nele. O ritmo está ótimo. E fiquei com um gosto meio-amargo na boca porque era assim que deveria ter sido a temporada inteira. Nesse nível. 

Com o final da série eu percebi que a fórmula anti-hero morrendo + salvando os outros meio bad guys, meio good guys + salvando a família, não dão certo pra todo mundo.

Ainda vou indicar a série pras pessoas, porque no geral é uma ótima série. Mas queria deixar registrado que doeu no coração, titio Sutter. Doeu porque eu queria mais. Doeu porque você já nos deu mais, viu?

Nenhum comentário

Postar um comentário

© OH SO FANGIRL
Maira Gall