segunda-feira, 17 de novembro de 2014

Ontem e hoje

Em alguma música do Paramore existe a frase I'm a walking contradition. É um pouco feio, eu sei. Mas é um pouco lindo também. Se contradizer. Graças a R'hllor eu me contradigo quando colocada frente a frente com a Ana do passado. 

Fala sério, a Ana de cinco anos atrás achava que usar lápis de olho era algo que funcionava pra ela. Achava que ela podia escovar os cabelos (meus cabelos quando não encontram um secador e uma chapinha, só encontram escova depois do banho). Ela sentia ciúmes de coisas que nem eram dela (sim. Bandas. Que vergonha). 

A Ana de uns tempos atrás achava que não podia escutar de tudo. Olha que desperdício! Hoje ela preenche o tempo musical com muita cantoria eclética de chuveiro: The Smiths, Kanye West, AC/DC, Banda do Mar, Lorde, Placebo, Forfun, Beyoncé.

A Ana de nem tanto tempo atrás assim não curtia Friends. Afinal, ela não via o que poderia ter de bom em uma série com risadas no fundo. A Ana de hoje está ocupada demais fazendo maratonas com os amigos, enquanto shippa fortemende Mondler e se sente o Chandler querendo chorar porque I just don't see why those two can't work things out pra Rachel e o Ross.

A Ana de nem tanto tempo atrás desgostava fortemente de Lana Del Rey e Taylor Swift. A Ana de hoje canta as músicas das moças, e dança junto, quando possível (não dá pra dançar Young and Beautiful).

A Ana de nem tanto tempo atrás era indiferente a Arctic Monkeys e Coldplay. A Ana de hoje sofreu por dentro porque perdeu o show dos primeiros caras, e fica numa paz quando escuta Yellow. 

A Ana do passado dava ibope pra piada machista, achava que chamar as outras garotas de vadia era okay. O sangue dela ainda fervia quando ela escutava assovio babaca no meio da rua. Mas a mente dela não percebia as coisas. A Ana de hoje... Bem, vocês já conhecem a Ana de hoje. 

A Ana de antigamente dizia que a banda favorita dela era Evanescence, a Ana de hoje fala Smiths e Death Cab. Mas ei, não se enganem: a Ana de hoje ainda tem seus posters e colares guardados. Ela ainda sabe de coisa desnecessária sobre a banda favorita dela de alguns anos atrás. Tipo, que a Amy Lee é alérgica a lagostas. E ela ainda tem seus ataques quando algo novo está prestes a sair, ou quando sua diva-dos-treze anos tem um bebê. 

Tem dias que as duas Anas começam a brigar. E segue geralmente o mesmo caminho: a Ana de alguns dias atrás era convicta na ideia que não se força a barra em certas coisas, e que elas se alinham naturalmente (ou qualquer outra coisa). Aí a outra Ana é convicta que às vezes se obrigar a sair de casa (forçar a barra?), comer waffles com sorvete enquanto bebe cerveja e assiste série com os amigos é o melhor remédio pra fazer as coisas voltarem ao normal. 

De qualquer forma, a Ana de agora, que digita esse texto, acha que talvez mudança de gostos não signifiquem contradição. Ela acha que segundas chances (ou até primeiras!) são valiosas... Bem, exceto pra dead ends (ela não vai dar outra chance pra The Big Bang Theory, isso é certo). Ela acredita piamente que talvez o "ajeitar naturalmente" tenha muita conexão com as "forçadas de barra" da vida. A Ana de agora saiu de um weird place direto pr'um good place. E fazer isso ouvindo música aleatória, boa e nova não teve preço.

Never betray the way you've always known it is.

Um comentário

  1. Ei Ana :)
    É impressionante como a gente vai criando várias facetas nossas durante a vida. Fico pensando na Ana de 4 anos atrás, quando tava começando a faculdade e cara, praticamente um abismo me separa dela. O que é bom. Porque a gente amadurece e se percebe melhor! :)
    Beijos!

    ResponderExcluir

© OH SO FANGIRL
Maira Gall