sexta-feira, 4 de julho de 2014

Uma quinta-feira

Não sei porque motivo específico, mas a última quinta-feira me deu a impressão que foi uma quinta-feira a ser compartilhada.

Não houve nada de interessante na minha quinta-feira. Assim como não há quase nada de interessante nas minhas outras muitas quintas-feiras também.

Mas ontem voltou a chover. O sol apareceu na quarta e ontem foi embora de novo, e voltou e foi e voltou. Só que as nuvens, e o tempo meio cinza, meio querendo colorir, veio acompanhada de um tempinho mais ameno. Menos roupa. Mas ainda assim muita roupa.

Eu tomei café, fui pro estágio, fiz minhas coisas. Sai do estágio pra dar de cara com um homem muito do mal encarado. Virei pro lado e segui rápido a rua pra ver um senhorzinho no chão, já caído, com a sua, muito aparentemente mulher, esbravejando com ele por ele ter caído. Alguma das almas caridosas dessa cidade tentou explicar que "não briga com ele, essas coisas acontecem". Prestei atenção por mais três segundos e deixei a quadra pra trás, porque por milagre eu consegui atravessar a rua sem ter que esperar. E assim subi a quadra seguinte pra pegar o ônibus -- esse já quase deixando a parada... Mais uma vez não me fazendo esperar.


Comi feijão. Eu amo feijão. Tomei banho, organizei minhas muambas já que eu iria direto do resto do estágio pra aula. Saí de casa, atrasada, pra ver de longe três ônibus passando, um coladinho do outro, na rua em que eu os pego. Em cem metros de trajeto, uma moça que já vi várias vezes, decidiu cair um tombo. Com direito a derrubar todas suas sacolinhas. Eu tava longe, quando cheguei perto ela já estava de pé. Não perguntei nada. Na parada, então, esperando o ônibus que só passou às 13h30, horário esse que já deveria estar no escritório, eu cruzei o olhar com a moça do tombo. Me senti mal. Talvez eu devesse ter falado alguma coisa. Tentei mandar mensagem pra minha colega de trabalho avisando que "já tava chegando". A mensagem não foi entregue. Cheguei esbaforida no estágio. Fiz minhas coisas. Dei umas risadas. Ganhei uma bala de mel "por causa da tosse". E fui-me pegar o ônibus para a faculdade. Com os fones de ouvido, é claro.

O ônibus enche e esvazia, em parte, antes de eu chegar no meu destino. Ele dá uma volta na cidade e eu curto olhar as casas e o céu que geralmente tá naquela transição dia-noite e as pessoas que ficam na parada. Observo, que assim como eu, tem alguma duzia que são fieis usuários da linha. Tem uma guria que toda quinta-feira espera o ônibus na mesma parada que eu. Ela para na universidade, mas não tem cara de universitária. Tem um guri mais novo, que me encara quando eu entro, que sempre espera o amigo dele, que só aparece umas boas 7 paradas depois, pra só então sentar em algum lugar. Tem um outro moço bonitinho, que tem um jeito de ser rebelde sem causa que ainda usa bottons de banda na mochila, que entra duas ou três paradas depois desse amigo do novinho. Esses todos param na universidade. Esses dias tinha um senhor de idade com um saco de batata. Ele deixou o saco cair, mas as batatas não caíram do saco. Por sorte. Ultimamente, também, apareceu um outro moço, esse que deve ser mais velho por alguns poucos anos que eu, que tem um cabelo muito melhor do que o meu jamais será. Ele usa o cabelo na altura do pescoço, tem uma vibe super hippie e também fica encarando o vidro do ônibus ou as coisas lá fora.

Cheguei na universidade sem vontade de comer sanduíche com suco de laranja. Apelei pra minha torta de nozes favorita com uma Pepsi, já que não vendem Coca-Cola lá. Minha TPM agradeceu.

(créditos)
Segui pra minha aula mais chata do semestre. Sentei e escutei grupos lendo e tentando explicar textos realmente chatos sobre Direito Ambiental. Dei uma lida num trabalho que talvez sim, talvez não pudesse ter de apresentar na aula após àquela. Joguei Subway Surfers. Que o mundo não precise de mim no Direito Ambiental daqui uns anos, porque Subway Surfers era muito mais interessante. Faltando três minutos pra minha aula acabar, meu professor decide passar "uma perguntinha". Ditou vinte linhas. Olho pra um colega do outro lado da sala e nós dois fazemos "não" com a cabeça, expressando a vontade de esganar o professor de provavelmente a turma inteira. 

Obviamente, minha aula seguinte começou comigo bufando querendo uma explosão espontânea do professor anterior. Sento,  respiro, e por uma sorte do destino, meu grupo, de dezesseis grupos que poderiam apresentar, é sorteado por primeiro. A matéria que mais preciso de nota, em uma das áreas que menos me interesso. Queria que o mundo me engolisse. Fiquei nervosa. Apresentei. Voltei pra classe. Vi o professor descascar um aluno que tinha menos sorte do que nós que decidiu apresentar sozinho. Lendo. Coitado. A aula acabou muito antes do que deveria. Nossa matéria já tá conclusa. Voltei pro Subway Surfers. E pro Dumb Ways To Die. 45 minutos de pura emoção. A aula seguinte foi de Subway Surfers. Só correção de exercício. A matéria tá na ponta da língua, mesmo sem precisar. Já tenho nota sobrando nela. Sem querer me gabar. 

Desejei muito as férias e esperei até as 22h30 pra poder sair daquele lugar. Depender de van dá nisso. Cheguei em casa, com muita muita muita preguiça de tirar a roupa. Coloquei meu pijama amarelo, lavei o rosto, comi um misto-quente. Fiquei conversando com uma amiga minha sobre o novo trabalho dela, filhotes de cachorros e brownies de chocolate branco com frutas vermelhas. 

Deitei, agradeci por não levado tombo, apaguei, acordei e senti vontade de escrever isso aqui. Mas ainda estou sem saber o porquê.

8 comentários

  1. Filhotes de cachorro + brownies de chocolate branco! pautas memoráveis! haha
    bonito textinho, gostei! ^^

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Inclusive fui atrás do brownie hoje. Não tinha. A gula chora. ♥

      Excluir
  2. ai como adoro posta diários! mesmo que não tenha acontecido nada "grande", adoro posts assim. faça isso mais vezes!!
    beijos!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Podexá que vou fazer! Até que gostei de fazer esse, viu?!
      Beijos!

      Excluir
  3. Primeira vez que passo aqui e adorei o post.
    Fui imaginando as cenas na minha cabeça e me identifiquei com alguns trechos - especialmente o do ônibus - pois essa é minha rotina também.

    Continue fazendo posts assim. Adoro lê-los.

    palavras alienadas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 'Brigada. Vou continuar sim, porque meus quatro leitores parece que curtiram, hahahah.

      Excluir
  4. adoreiiii, faça mais posts falando sobre faculdade pq é mt legal huehueh

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vou fazer! Mas sobre faculdade só no próximo semestre (espero eu). Férias eu as quero. <3

      Excluir

© OH SO FANGIRL
Maira Gall