segunda-feira, 9 de setembro de 2013

*gun shot*

Eu, honestamente, larguei de mão há muito tentar adivinhar o que será que vai acontecer na trajetória dos nossos traficantes/químicos favoritos. Às vezes gosto de brincar de teorias, mas nunca vou a fundo delas e fico só num achismo que outro. Dessa forma fico no achismo do que ainda existe pra acontecer, pois olha só: aqui jaz vossa autora quase infartada pós mais um episódio de Breaking Bad

E aqui jaz vossa autora anestesiada pelo final desse episódio que me fez colocar o Vince Gilligan no lugar de Satã. Porque o que aconteceu com a minha alma pós S5E13 - To'hajiilee de Breaking Bad só pode ser explicado pela presença do satã em pessoa: Vince Gilligan (brimks, Tio George, você ainda é o satã! Tio Vince só quis te substituir por um tempo, tá? Sem hard feelings).

Muitos spoilers under the cut.

Até tentei me convencer a deixar essa review pra outro dia, mas como tudo tá aqui fresquinho na memória e no coração acelerado, parei de me iludir e vim aqui descrever o quanto, mais uma vez, eu odeio essa série perfeita de outro mundo.

O outro episódio, como havia comentado, foi de desenvolver mais lento e devo confessar que talvez um dos meus menos favoritos desses últimos que foram ao ar — e uso "menos favoritos" porque não existe um episódio que eu não tenha gostado desses episódios finais. E por esse motivo fui pra esse episódio sedenta por ameaças, dedos na cara, pancadaria, fogo, tiro e tudo o que há de mais violento em Breaking Bad.

Óbvio que fui sedenta por isso, mas que nada, absolutamente nada tocasse o meu precioso puppy eyes (e é aí que a review fica toda tendenciosa!), Jesse Pinkman. Claro que como boa fã, meus desejos dificilmente serão concedidos, e às vezes tenho que raciocinar e deixar de lado meus gostos pessoais pra admitir que, se fosse pra qualquer coisa punk rock acontecer nesse episódio, depois da última ligação do Walt pro Todd, certamente o Jesse seria a mira de toda a bagunça.

E eu de toda não estava errada. Mas não estava certa. Porque lord help my poor soul, eu nunca acerto o que eu acho que possa acontecer, e é claro que agora não seria diferente.

Mas vamos rápido porque eu não vou me apegar aos detalhes sórdidos como o encontro do Hank com o Huell. Ou o Saul dando uma passeada no lava-carros. Ou a óbvia crush do Todd na Lydia. Ou o Walt escolhendo a forma pela qual o tio do Todd deveria matar o Jesse. Ou pelo Walter tentando manipular a Andrea e levando olhares cheios de ódio do Brock (que só queria comer seu Froot Loops!). Não vou me apegar aos detalhes sórdidos porque esses detalhes, confesso, estavam me dando sono.

Mas o sono não venceu e eu continuei esperando por algo maior, porque eu sentia no fundinho do coração que algo grande estava por vir. E veio. E veio com tudo. Veio com o Jesse fingindo que ia colocar fogo em todo o dinheiro do Walt. E veio com o Walt correndo em direção ao deserto e fazendo assim com que o Hank, o Steven e o próprio Pinkman encontrassem o The Danger... se "rendendo". E veio com o cuspe que o Jesse deu na cara do Walter depois d'o mesmo o chamar de covarde. E veio com a briguinha nada máscula dos dois. E veio com eles sendo separados e enfiados em carros diferentes. E o veio com o Hank ligando para Marie, todo feliz, e me deixando emocionada quando percebi, mais tarde, o que poderia acontecer.  


E veio com dois carros cheios de pessoas altamente armadas indo de encontro aos dois carros que carregavam os mais procurados de Albuquerque. Ninguém ouviu o grande Heisenberg quando ele solicitou que cancelassem o plano de irem ao encontro deles no deserto. E porque ninguém deu ouvidos a ele, tivemos um grande tiroteio. Onde eram 4 (dois deles desarmados!) contra quantos mesmos? Uns 5? 6? 7? malucos com armas que davam de dez a zero nas armas do DEA.

E aí o episódio acaba. O episódio acaba com bala voando pra tudo quando é lado. O episódio acaba com um dos maiores cliffhangers que o satã Vince Gilligan já nos fez passar. O episódio acaba e a promo para o próximo é a mesma cena do tiroteio, o que nos deixa com zero ideia de quem vive ou morre (porque ahhhh! Alguém vai morrer nisso aí).


E o episódio acaba deixando a nossa vida num cliffhanger, porque como lidar com a vida enquanto um próximo episódio feito o que nos promete o S5E14 está a sete (agora seis) dias de distância? E como lidar com o casting list do próximo episódio? E como lidar com essa série perfeita?

Agora, mais do que nunca, S05E14 - Ozymandias: my body is ready but IT REALLY ISN'T.

Nenhum comentário

Postar um comentário

© OH SO FANGIRL
Maira Gall