domingo, 7 de setembro de 2014

Sobre preguiça, e a mente

Eu ainda vou fazer um estudo sobre os pseudo-projetos que tento começar e acabo falhando miseravelmente no meio do caminho. Como muita coisa nessa vidinha. 

É óbvio que isso aconteceu com o que eu pretendia fazer com o Emmy desse ano, mas considerando os outros 57 pseudo-projetos que eu abandonei no Tumblr, não sei porque eu pensei que com esse seria diferente.

Vai ver é preguiça. 

Tá, é preguiça.

E falta de inspiração.

E muita preguiça. 

E desvio de atenção. 

De qualquer forma, vale a lembrança que eu não preciso fazer um resumão do Emmy, até porque ele já passou faz algumas semanas, e porque as minhas maiores torcidas não foram frustradas. Sério, gente. Foi tão bom sentar do outro lado do chorume. Enquanto o pessoal chorava porque tudo ia pra Breaking Bad (e merecidamente, sorry not sorry), eu só comemorava e sentia o apertinho no peito de "esse foi o último ano de Breaking Bad no Emmy".


Mas tá tudo bem, eu digo pra mim mesma, afinal deu adeus com chave de ouro, com direito até a beijo épico no meio do evento (God Bless Bryan Cranston).

Mas voltando, até porque isso não tinha nada que ver com o Emmy, e sim com outra ideia que eu tive num desses dias em que você deita e não consegue dormir. 

Não sei se isso acontece com todo mundo, mas com certeza não posso ser a única, porque apesar de cada um de nós ser um universo particular, não há nada que a gente faça que seja exclusivamente... nosso. Acredito nisso porque quando penso em todas as manias, loucuras e pensamentos controversos, penso também que eu não posso ser a única e, não sendo an unique snowflake (by Fight Club), só podem existir mais alguns perdidos por aí que dividam as mesmas particularidades que eu. 

E assim sendo, tentei fazer um resumo, não do Emmy, mas da mente trabalhando às 1h27 de uma quinta-feira, enquanto você quer muito dormir, mas não consegue. Mas não só desse dia, pra ser sincera. De muitos dias. E noites. E em forma de diálogo, separado por pontos finais. Sem travessão:


Porque eu realmente deveria estar dormindo. Já tá tarde. Eu só tenho mais seis horas de sono. Mas às vezes quando tu dorme nessa hora tu acorda até mais disposta! Mas não quando o despertador toca. Ninguém merece manhãs. Eu realmente queria umas férias. Tô romantizando os pés na areia e a água batendo no calcanhar agora. Eu detesto aqueles bichinhos que vem junto na água e somem embaixo dos teus pés. Aquela sensação dá agonia. Por que esses vizinhos não calam a boca? Será que eles escutam o que eu falo? Eu nem falo. Tanto. Só baixar o tom de voz um pouco, custa nada. Por que eu tô toda tensa? Vou mudar de posição. Descruza essas pernas. Relaxa. Isso. É muita coisa online, que agonia. Vou deletar o Facebook. Nunca tem nada lá. Mas tem os eventinhos! E os grupos. Aff, que saco. Vou tentar entrar menos. Mas tem o Whatss. Que preguiça de vida online. Mas tu nunca quer sair de casa. Isso não é verdade. É sim. Não é não. Floating. No marzinho sem onda de Canasvieras. Será que meu cabelo vai estar muito zoado amanhã? A agonia é tipo um bicho bem entre o coração e a garganta e ele quer muito sair e fica arranhando o quadro com as unhas ali, sabe? Verde musgo. Eita. I don't feel like smiling now. Why am I thinking in english? It isn't even my native language. Como era aquele poema? Eu gostei daquele poema. Será que eu deveria ir numa psicologa? Não. É só um poema. Não tem nada a ver se identificar com um poema. Ou é uma poesia? Não sei. Não sei nem se eu quero gente por perto. Só alguns. É. Não me importaria com isso. Será que daria certo? É bem confortável, y'know, de ficar perto. Cacete! Já é 1h44. Por quê??? Não acredito que vou ter que ir no banheiro. Ah não. Nãããããão. Lieeeee to me Matilda, oh li-li-lie. Ok. Agora vou dormir. ...He only kisses her once -- he doesn't care if it's perfect. Amanhã eu vou procurar o resto disso de novo. I like the feeling of fingertips running through skin. Na mão. É bom. Não vou dar trela porque vai dar merda, né? Sim. Sim. Sim. Repete isso bastante... Eu adoro aquela foto. Na próxima vida quero ser criativa e fazer umas fotos como aquela. Brincar de se afogar na banheira. Deixar a água cristalina ou meio branca? Aff, Ana Claudia. Relaxa esse corpo de novo. Vou mudar de posição. Cadê a garrafinha? Tô com sede. Agora vou dormir. Preciso terminar esse livro!!! Que agonia!!! Mas aí não tem como ver as séries. I'd like to jump off a really really high building sometime. Imagina preto. Imagina preto. Não tem nada na mente. Hora de dormir. ... Eu juro que o Chandler na primeira temporada parece um young Morrissey. Preciso comprar isso logo. Não acredito ainda. Ainda não. E não. Não. Será que tem um número pra poder confirmar no site? Será que é verdadeiro? Vai dar certo? I want to touch your eyelashes. Queria uma rede. Por quê?????????? Some. Foi só uma mão nas costas. Pára com isso. Hahahahha, é que nem a música. Quantos episódios de série eu poderia assistir se eu não tivesse rolando na cama? There's like a million things I want to tell you. But I won't. Isso é ridículo. Que horas são? Preciso dormir. Queria aquele batom vampira. Será que fica bonito? Vai usar os teus. Por que eu falei aquilo? Idiot. Idiot. Idiot. Idiot. Idiota mesmo, isso já passou faz tempo. Então por que eu não consigo tirar da mente? Idiota. Idiota. Fica falando idiotice. Olha aquela caixa, aquela caixa ali tem várias coisas idiotas que tu já falou. Relaaaaaxa. Todo mundo tem disso. É bom mesmo, porque é ridículo. Quantos fios de cabelo eu tenho? E cílios? Deve ser legal pular numa cama elástica e cair na água depois. Preciso aprender a nadar. Continue a nadar. Ou ter aquelas patinhas de mosquito que tu fica em cima da água, porque água batendo bem embaixo, assim, na sola do pé, é muito legal. I like it. Ah não. Ótimo. Agora preciso ir no banheiro de novo. Burra. Hmmmm, vou dormir. Gosto daquela foto também. Meus pés ficaram gelados. Será que o osso fica gelado também? Acho que não. Hahahaha. Eu não gosto do formato da tua unha. Imagina se o Sherlock me analisa? Será que ele vai tirar algo só de olhar meu celular? Medonho. Uma casinha de madeira com cheirinho de café. Tu nem curte café. O cheiro, anta... Hmmm, me sentindo sentada em Lost In Translation... What a mess...  F e e l i n g  d i z z y. . . D-i-z-z


4 comentários

  1. Ana, minha cabeça é totalmente assim quando não consigo dormir. Meu caso piora um pouquinho porque eu começo a pensar em tudo que eu deveria fazer, em todas as coisas que mais me preocupam, tento organizar a semana na minha cabeça e a pirar com meus prazos de trabalho tão curtos. É divertidíssimo.

    Um truque que ajuda muito é se concentrar na sua respiração. Sei que todo mundo fala isso, mas eu comecei a tentar com bastante afinco e agora funciona quase que instantaneamente. Basta focar no ato de inspirar e expirar, pensar no caminho que o ar vai fazendo dentro do seu corpo, traçar toda a trajetória, ~~ sentir~~ a oxigenação nos orgãos. Sério. Eu durmo em menos de 10 minutos quando faço isso, hahaha #aloca

    Sobre a bibliografia que você queria saber, o principal livro, que foi tipo a espinha dorsal da disciplina, foi "A terceira mulher: permanência e revolução do feminino", do Gilles Lipovetsky. Esse tem um viés mais histórico/sociológico. Mais técnico, teve o "A história da beleza", do Georges Vigarello. E relacionado a imprensa, trabalhamos vários capítulos do livro "Nova história das mulheres". A organização é da Carla Pinsky, mas tem artigos de várias autorias. Usamos mais os da Carla Pinsky, da Denise Sant'Anna e da Tânia de Lucca. Aí tem o Mulher de Papel, da Dulcília Buitonia, que foi mais pra complementar, porque ele já tá um pouquinho ultrapassado. Ufa! hahaha Parece muito, mas são todas leituras muito tranquilas. Se tiver que recomendar um só, vai no Lipovetsky. Leitura riquíssima e deliciosa de fazer. Nem parece que é estudo. :)

    beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Guria, te juro que faço a mesma coisa. Mas não quis deixar ~too personal~ e chatear o meu público de três pessoas com todo o meu cronograma mental de estudar para as provas (que nem chegaram!).

      Tentei isso ontem e a noite, e acho que funcionou?! Porque não recordo demorar muito pra dormir.

      Fui pesquisar os livros, e milagrosamente, encontrei eles todos na biblioteca da minha universidade. Milagrosamente porque nunca tem nada que eu quero lá. Hoje antes de passar na aula vou tentar pegar esse do Gilles. 'Brigadão! :)

      Excluir
  2. Ana, vem cá, me dá um abraço, tâmo junta, haha.
    Eu também costumava pensar bastante nisso de nossas manias não serem necessariamente somente nossas. Que ao redor do mundo tem várias pessoas que passam exatamente pela mesma coisa que nós e, veja só, somos presunçosos ao ponto de achar que não, haha. É um conforto, às vezes, saber que essa loucura não é só nossa.

    Minha mente é assim o dia todo. O. Dia. Todo. Às vezes é sufocante. Não tem um minuto que eu pare de pensar no que eu tenho que fazer, nas provas, no que alguém disse pra mim, no que eu disse pra alguém. Fora os comentários que faço mentalmente sobre as coisas que acontecem ao redor, sobre as conversas alheias que às vezes tenho a (in)felicidade de ouvir, essas coisas. Mas durante o dia isso é até bom, pra se manter acordado. À noite, em tempos de insônia, que a coisa fica preta. Não literalmente, porque eu não consigo pregar os olhos, mas né.

    Também tenho uns pensamentos em inglês. Acho que é por causa de todos os filmes e séries e músicas que eu assisto e ouço durante o dia. Chega um ponto em que as palavras ditas em inglês com seus significados fazem mais sentido do que algumas em português.

    Minha tática pra dormir, além de prestar atenção na respiração, é ouvir umas músicas calmas, de preferência sem letra (indico as do Yann Tierse - trilha sonora de Amélie Poulain), e tendo imagina histórias de acordo com o ritmo. Imaginar as cenas. Eu, na frança, andando de bicicleta na garupa do meu love (imaginário, por enquanto), coisas assim. Adormeço e tenho bons sonhos, na maioria das vezes, haha.

    Adorei seu blog e o texto é magnífico!

    palavras-alienadas.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ahhh, fico feliz em saber (saber não, confirmar) que têm mais gente nesse grupo dos mentes-ocupadas do que eu.

      Às eu tento ouvir música, o problema é que eu não desconcentro /da música/ e aí sei que quando colocar o celular de lado pra tentar dormir, vai voltar tudo.

      No final, a gente meio que se acostuma.

      Obrigada. <33

      Excluir

© OH SO FANGIRL
Maira Gall