segunda-feira, 7 de outubro de 2013

I did for me

E eis que aqui estou eu, mais de uma semana depois (a vida acadêmica se meteu no caminho...) de completar uma das únicas promessas internéticas que fiz pra mim mesma. Aqui estou eu pronta pra fazer a review super mega melodramática sobre a series finale da minha série favorita.

E eu não posso dizer que não sei por onde começar, porque eu sei bem por onde começar: tô feliz. Extremamente satisfeita. E tão orgulhosa dessa série que obviamente foi e será por muitos anos um marco na arte televisiva.

E vamos lá, de coração partido mas contente, fazer a review do episódio S5E16 - FeLiNa, o grande e esperado series finale de Breaking Bad.

Não tenho uma bagagem muito grande de series finale pra usar como parâmetro. Mas com toda a certeza tenho uma bagagem não grande, mas suficiente, eu diria, de série e episódios que fecham plots pra comparar com esse episódio que serviu de fim pra essa série de outro mundo.

Acho que não é difícil de admitir que eu obviamente pirei assistindo o episódio. Não sabia o que esperar, mas se fosse pra esperar algo, seria tudo o que assisti no penúltimo Domingo.

Algumas reações. E nem me pergunte porque eu não sei o que aconteceu.

Tirei o chapéu e aplaudi de pé (mentalmente, porque gente preguiçosa tem preguiça até disso) a forma que o Vince Gillian decidiu finalizar essa série.

O Walter White, por mais evil genius que seja, por mais ruim que seja (e convenhamos, ele era ruim), se redimiu com todos os telespectadores pela forma geniosa que ele arquitetou seu "último plano".

Levar o dinheiro dele pros seus antigos parceiros da Gray Matter Technologies, Elliot e Gretchen, que, por mais que não pareça, devem pra ele e temem ele, foi demais. Por tempos eles ficarão na sombra do medo até que cumpram com o prometido. E ficarão na sombra do medo porque foram ameaçados de morte por nada mais nada menos que Skinny Pete e Badger com canetinhas de lasers (e que surpresa agradável! Pensei que nunca mais veria eles). Walter White 1 x 0 o resto do mundo.

E flashback vai, flashback vem, e aí temos o homeless Mr. Lambert abordando a weird Lydia e o monstro Todd. O que saiu disso? Nosso bye-bye pra Lydia depois dele ter inserido a ricina, que tanto tentamos descobrir pra quem era no começo da temporada, em um dos vícios pessoais da Ms. Quayle. 

Agora, sem muito mimimi e pulando, mesmo, rapidinho, os detalhes sórdidos, vamos aos pontos finais: 

Depois de cinco temporadas. Cinco bem feitas, ótimas, que deixarão saudade, temporadas, o Mr. White finalmente admitiu que ele não fez tudo pela família dele. Nem a Skyler e nem nós aguentaríamos ouvir mais uma vez que "I did for this family". E como tudo de melhor que poderia acontecer, a gente teve o que queria: ele finalmente admitindo que ele fez o que fez pra ele. Ele fez pra alimentar o seu ego. 

E sobre isso, o próprio Gilligan apontou um ótimo ponto em uma entrevista pra Rolling Stone sobre o final da série (antes dela ir ao ar):
Walt has a chance to be a man in the fourth episode of the first season, when his former business partners offer to pay for his chemotherapy treatments. He’s offered a way out that doesn’t involve being a criminal, doesn’t put his family at risk and doesn’t break the law. In this deus ex machina moment, he gets offered an out; but in his mind, it means eating a little humble pie by accepting money from people he feels betrayed him. He turns down their offer for reasons of ego. He basically says, “No, I’d rather cook crystal meth than take this free money”…I maintain that he doesn’t (do it all for his family).
Além dele admitir que o que ele fez ele fez por ele, outra coisa que me fez ficar pulando na cadeira de alegria foi ele construir um robô (Jesse dig it) e ir lá todo salvador da pátria salvar o Jesse daqueles malucos. Levar tiros pra salvar o Jesse e poder se vingar por tudo o que aconteceu episódios atrás, no grandioso Ozymandias. Até porque como o próprio Mr. White dizia: "Jesse is family". Adorei ver o Todd morrendo, e isso é meio mórbido, mas aquele lá merecia demais o fim que teve. E adorei saber que o Jesse saiu correndo à la Need For Speed e com sorte se livrando, em outro lado do continente, de toda a porcaria que fora a vida dele até aquele momento.

Depois de tudo o que ele sofreu, eu consegui perdoar o Vince por dar um final "feliz" pro meu puppy eyes. <3 Além disso, todo aquele discurso no final de sobre quem tiraria a vida do grande Heisenberg, e de como o Pinkman não seria o responsável por isso, foi ó-t-i-m-o.

Sobre o final: precisamos admitir que já esperávamos aquilo. Pra mim, o Walter morreria de qualquer maneira, eu só pensava que seria por causa do câncer mesmo. Não aconteceu. Ele morreu porque quis. Ele morreu porque levou um tiro pelo Jesse. Ele morreu da forma que ele queria, antes de se entregar para a polícia. A tomada final foi simplesmente genial, filmada no estilo do episódio Crawl Space. A música, então? Super dissonante, e encaixou totalmente com o que estava a acontecer. E eu amei.

(créditos???)
Creio que ainda não caiu a ficha de que a minha série favorita foi finalizada. Vai ser 2040 e eu ainda não vou ter superado esse seriado. Mas com toda a certeza do universo eu fico feliz de ter esbarrado com Breaking Bad no meio do caminho da minha vida fandom. E com mais certeza ainda admito que não vai ser fácil esquecer e/ou não sentir saudade da nossa dupla favorita. ♥

Nenhum comentário

Postar um comentário

© OH SO FANGIRL
Maira Gall